Pesquisa personalizada

Jacytan Melo Produções_Atrações Exclusivas_2013/2014

sábado, 27 de março de 2010

Kaica com seu jeito moleque de ser


Em meu trabalho de busca incessante de talentos, que melhor represente a música brasileira em Pernambuco, não tem fim. Tem sido um verdadeiro garimpo, onde tento de modo profissional separar as pedras preciosas em meio a tantas pedras comuns. O universo é grande de cantoras pernambucanas aspirantes e profissionais que lutam em busca de oportunidades em meio a um ingrato mercado da música.

Muitas delas iniciam incentivadas por amigos, familiares, outras por pura brincadeira, na base do "vou ver no que vai dar". Entre elas encontro a Karla Linck Alves, ou mais popularmente conhecida como Kaica, quando há cerca de quatro anos atrás, começou lentamente, ensaiando os primeiros acorde dentro de casa, com amigos em finais de semana, no popular voz e violão, sem nunca imaginar que se tornaria uma atividade profissional. Animada, Kaica entra de cabeça nesta nova descoberta, que acaba lhe revelando outro talento, o de compor. Iniciou fazendo composições de músicas infantis, mas seu coração lhe dirigia para outro setor, o de composição de sambas.

Kaica bem sabia que precisaria fazer-se conhecer pelo público, arregaçou as mangas, organizou um repertório com cem músicas e foi em busca de bares e casas noturnas para mostrar seu talento, visando também seu trabalho autoral. Conseguiu seu intento e passa a cantar em diversos lugares, acompanhada do violonista, Eduardo Vieira, agradando a todos com sua doce voz, conquistando um público que se tornaria fiel.

Reunindo alguns instrumentistas, que mais tarde acompanharia em diversas apresentações com o nome de Sonora Madeira, Kaica entra em trabalho de estúdio e realiza a sua primeira gravação, a versão estilizada de Três Apitos, do Noel Rosa, que pode ser observada no vídeo abaixo.

EVENTOS



Participou do segundo Festival de Música e Arte do Agreste Meridional (foto ao lado), na categoria de intérprete e ficou em terceiro lugar na classificação. Essa foi a sua primeira apresentação pública. Foi na cidade de Garanhuns, na Esplanada Guadalajara.

Arrecifes Sonoros foi outro evento promovido pelo SESC, onde Kaica teve a oportunidade de conhecer nomes significativos do samba em Pernambuco, como Rui Ribeiro. Rui admirou bastante o seu trabalho autoral e ficou a partir daí mantendo contato com a cantora. Desse conhecimento com Rui surgiu um trabalho frutífero, foram convidadas por para participar de um evento na Livraria Cultura (foto abaixo), onde se apresentariam grandes nomes do samba e choro em Pernambuco e onde Kaica pode realizar o seu sonho, ter o reconhecimento de seu trabalho autoral de composição de sambas.

A apresentação na livraria cultura teve ótima repercussão, gerando outros convites, como o de apresentar-se semanalmente na Toca da Joana, em Casa Amarela. Foi um trabalho que durou cerca de quatro meses, sendo interrompido por divergências de interesses, que acabou com a separação dos integrantes do grupo.

Seguindo em carreira solo, Kaica foi então convidada por Maurício Spinelli, proprietário da Toca da Joana, para participar do Sambadelas – mesa de samba composta unicamente por mulheres, da qual seis cantoras fazem parte – entre elas, Selma do Samba, cantora, compositora e poetisa.

A banda Sonora Madeira e Kaica, faz versão de Três Apitos, samba-canção de Noel Rosa.



Para contratar show com a cantora Kaica, ligue (81) 8645-1475 - 9495-1820 - 9968-4098