Pesquisa personalizada

Jacytan Melo Produções_Atrações Exclusivas_2013/2014

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Três gigantes do mundo dos graves

Quando três feras da música se encontram, o resultado vocês já podem imaginar. Em minha busca pela internet encontrei uma pérola de vídeo, onde três figuras do mundo dos graves, que reverencio muito: Stanley Clarke, Marcus Miller e Victor Wooten, dão um show de 14 minutos e 41 segundos do mais puro som.

Mas, afinal, que são esses caras?

Marcus Miller (nascido no dia 14 de Junho, 1959, em Nova Iorque) é um compositor e músico de jazz. Ele é conhecido princpalmente como um contrabaixista, que tocou com vários músicos, inclusive Miles Davis e David Sanborn. Miller foi treinado classicalmente como um clarinetista, e toca também o clarineto baixo, teclado, saxofone, e guitarra, e é um cantor competente. Miller tem uma discografia extensiva, e viaja freqüentemente a Europa e ao Japão.


Apesar da sua juventude Victor Lemonte Wooten é um dos mais conceituados baixistas da atualidade. Começou a aprender viola baixo aos 3 anos e aos 5 já tocava com os irmãos em espectáculos e clubes. Nos anos 80 integrou uma banda de nome Flecktones enquanto, paralelamente, desenvolvia uma carreira a solo que culminou em 1996 com o lançamento do primeiro álbum A show of hands.

Desde então a sua fama não tem parado de crescer. Tocou com os grandes - Branford Marsalis, Chick Corea, Jaco Pastorius, etc. - e recebeu diversos prémios, incluindo dois Nashville Music Awards e três (sem precedentes) para o melhor baixista do ano atribuídos pela Bass Player Magazine. Ganhou igualmente dois Grammy's. Um currículo impressionante.


Stanley Clarke (nascido em 30 de junho 1951) é um músico e compositor americano, conhecido por seu trabalho inovador e influente em contrabaixo e guitarra baixo.
Clarke revolucionou o instrumento, seja pela exuberância técnica (foi um dos responsáveis por conduzir a técnica de slap a níveis extremos, pela introdução do piccolo bass e pela junção do contrabaixo acústico no fusion), seja pela concepção do baixo elétrico como instrumento solista ainda nos anos 70.

Confira o encontro dos feras